Arquivos de sites

O retorno do Blog – NBA Playoffs 2013

Chris Bosh e o Miami Heat chegam fortes para o bicampeonato – Photo Credit: Gary Dineen

Peço desculpas aos meus fiéis leitores pela ausência indesculpável. Existem explicações para tal abandono, mas eu aceito a culpa pela negligência. A partir desta semana tentarei manter um mínimo de padrão e frequência nos posts do blog. E começarei neste belo sábado/domingo de abril, com um dos meus assuntos favoritos. Os playoffs da NBA.

Este post está indo ao ar no domingo de manhã, mas como passei a tarde e noite de sábado fora de SP, no casamento de um grande amigo, não pude assistir ou acompanhar as partidas de ontem, e meus comentários não serão afetados pelos primeiros jogos.

Ao contrário das últimas edições da NBA, enxergo dois grandes favoritos que dificilmente sejam eliminados antes das finais, que serão disputadas em junho. Meu querido Miami Heat e o talentosíssimo Oklahoma City Thunder devem repetir a final de 2012, quando o Heat venceu por 4×1 e deu o primeiro título para LeBron James. Por falar nisso, James continua a evoluir de forma impressionante e fez uma temporada espetacular em 2012-2013, distanciando-se das demais estrelas da liga e deve ser uma barbada como o MVP da temporada.

Apesar deste grande favoritismo de Heat e Thunder, os playoffs devem ter batalhas equilibradíssimas entre os outros times, pois o equilíbrio está bastante acentuado na liga, fruto do bem sucedido formato definido após a dura negociação entre a liga e os donos das equipes com o sindicato dos jogadores, que ameaçou a temporada passada mas que criou sanções pesadas para as equipes que extrapolarem os limites de folha salarial. Estas regras inclusive colocam em risco a possibilidade do Heat em perpetuar-se no topo, pois no final da próxima temporada suas principais estrelas (James, Dwyane Wade e Chris Bosh) poderão optar por terem passe livre e escolher se desejam continuar no sul da Flórida, ou se irão buscar caminhos diferentes.

Se o equilíbrio foi o lado positivo, algumas graves contusões foram o lado negativo da temporada. Derrick Rose ainda não retornou desde que rompeu os ligamentos do joelho na primeira partida dos playoffs de 2012, Rajon Rondo sofreu a mesma lesão logo após o All Star Game, e o monstro Kobe Bryant, que jogou demais para carregar o decepcionante Los Angeles Lakers neste ano, teve séria lesão no calcanhar de Aquiles na última semana da temporada, e devido à idade e quantidade de partidas disputadas em sua carreira, tem seu futuro em risco, uma grande decepção.

Os brasileiros foram muito bem representados pela grande evolução de Tiago Splitter, que hoje é peça fundamental no forte San Antonio Spurs, o sempre eficiente Nenê que deu equilíbrio para o inconsistente Washington Wizards e pela curta, mas maravilhosa, temporada de Anderson Varejão, que liderava a NBA em rebotes mas sofreu contusão que o impediu de conquistar o título de reboteiro e, principalmente, ser convidado para o All Star Game.

Minha previsão de 2012 acertou meu Heat como campeão, mas errou feio no finalista, pois eu achava que o Lakers tinha forças para ir longe, e eles foram um fiasco, sendo demolidos pelo Thunder sem piedade. Neste ano alguns duelos da primeira rodada serão emocionantes, especialmente o das potências tradicionais da costa Leste, New York Knicks e Boston Celtics, que torcemos ser levado ao sétimo jogo. Aqui vão meus palpites de 2013:

Conferência Leste:

First Round: Heat 4×0 Bucks, Knicks 4×3 Celtics, Pacers 4×1 Hawks, Nets 4×3 Bulls

Conference Semifinals: Heat 4×0 Nets, Pacers 4×2 Knicks

Conference Finals: Heat 4×1 Pacers

Conferência Oeste:

First Round: Thunder 4×1 Rockets, Spurs 4×3 Lakers, Nuggets 4×2 Warriors, Clippers 4×3 Grizzlies

Conference Semifinals: Thunder 4×1 Clippers, Spurs 4×3 Nuggets

Conference Finals: Thunder 4×1 Spurs

NBA FinalsHeat 4×2 Thunder

Oba ! Hoje começam os playoffs da NBA

2012 NBA Playoffs Bracket

Que maravilha. O início dos playoffs da NBA, na tarde de hoje, dão início a um dos melhores dois meses do ano, para amantes do basquete e de competições esportivas. Teremos uma maratona de grandes disputas, que prometem ser muito equilibradas, e apesar de existirem alguns poucos favoritos ao título, acho que podemos ver zebras em quase todos os confrontos.

Antes de avaliar a temporada e os playoffs, preciso me parabenizar pela excelente previsão que fiz em dezembro, quando acertei 15 dos 16 times classificados para os playoffs, e quase todos na ordem correta. Meu erro ficou na troca do Jazz pelo Blazers, que deveriam fisgar esta classificação mas foram a equipe mais confusa e desorganizada da NBA, e desapontaram os fiéis fãs de Portland mais uma vez.

Como acontece todo ano, o destaque da temporada ficou por conta do San Antonio Spurs, que continua com seu jogo extremamente eficiente, nesta ano com um elenco muito forte e reservas com alto nível, o que permitiu ao técnico Gregg Popovich dar bastante descanso aos veteranos Tim Duncan, Manu Ginobili e Tony Parker, que chegam inteiros para a hora do “vamo vê”. Outras equipes que merecem destaque positivo foram o Chicago Bulls, que jogou sem a estrela Derrick Rose por metada da temporada, e ainda assim conquistou a melhor campanha da liga, e de times em grande crescimento como Indiana Pacers e Memphis Grizzlies, que podem aprontar nesta fase final. Os destaques negativos foram muitos, além do já mencionado Blazers, e passando pelo Orlando Magic e sua estrela mimada Dwight Howard, que operou a coluna e está fora dos playoffs e dos Jogos Olímpicos de Londres, e finalmente com o Charlotte Bobcats, que venceu apenas 7 partidas e atingiu a pior média de vitórias da história da NBA. Uma verdadeira vergonha para o time de Michael Jordan, que tem um futuro muito sombrio nas mãos incompetentes do maior jogador de todos os tempos.

Enquanto escrevo estas palavras, os Bulls já venceram o primeiro jogo frente ao Philadelphia 76ers, mas tiveram uma grande baixa, com uma contusão no joelho de Rose, que pode complicar o futuro do time caso o craque fique de molho por muito tempo. Meu Heat está destruindo o New York Knicks no segundo quarto, num jogo acirrado que está fazendo jus à melhor rivalidade (em termos de confusões) da NBA, especialmente pelos duelos do final dos anos 90, quando os Knicks eliminaram o Heat como zebra por três anos seguidos, sempre como visitantes, para minha imensa tristeza.

Disse em dezembro que Heat seria o campeão sobre o Thunder, mas estou com receio em relação ao vencedor do Oeste. Acho que o Heat chega na final, superando o Bulls (caso Rose esteja fora, creio que os Celtics sejam os vices do Leste), mas estou com palpite de que o sempre forte Los Angeles Lakers saia como campeão no Oeste, superando o favoritismo do Spurs e Thunder. É a mesma final que previ antes dos playoffs de 2011. Aqui vão meus palpites:

Conferência Leste:

First Round: Bulls 4×1 76ers, Heat 4×0 Knicks, Pacers 4×0 Magic, Celtics 4×2 Hawks

Conference Semifinals: Bulls 4×1 Celtics (Depende da presença de D.Rose), Heat 4×1 Pacers

Conference Finals: Heat 4×2 Bulls

Conferência Oeste:

First Round: Spurs 4×1 Jazz, Thunder 4×2 Mavericks, Lakers 4×2 Nuggets, Grizzlies 4×3 Clippers

Conference Semifinals: Spurs 4×2 Grizzlies, Lakers 4×2 Thunder

Conference Finals: Lakers 4×2 Spurs

NBA FinalsHeat 4×1 Lakers

Playoffs da MLB começam após uma incrível reta final da temporada

Arremessadores dos Phillies prontos para carregar o time - Levon Biss/New York Times

Os playoffs da Major League Baseball (MLB) começam nesta sexta-feira, com a partida entre o atual campeão da American League (AL), Texas Rangers, contra o Tampa Bay Rays, reeditando o confronto nesta mesma fase em 2010. A outra disputa da AL será entre o sempre favorito New York Yankees e o Detroit Tigers, liderado pelo melhor pitcher do ano, Justin Verlander, e pelo craque venezuelano Miguel Cabrera, um dos favoritos ao MVP da liga. A National League (NL) terá suas primeiras partidas amanhã, nos confrontos entre o principal candidato ao título, Philadelphia Phillies e o sempre forte St. Louis Cardinals, do melhor jogador da MLB Albert Pujols, e no divertido embate entre duas simpáticas zebras, o Arizona Diamondbacks e o Milwaukee Brewers, que possui um time muito equilibrado em todas as posições, mas tem nos rebatedores Ryan Braun e Prince Fielder suas principais estrelas.

Infelizmente meu San Francisco Giants não poderá defender o caneco, pois sofreu com contusões e especialmente com a grande incompetência de seus rebatedores, que impediram os formidáveis pitchers de conquistar mais vitórias, e foram amplamente dominados pelos jovens desconhecidos do Arizona, a grande surpresa deste playoff.

Em toda a longa história das grandes ligas, o mês de setembro jamais apresentou tantas surpresas como ocorreu em 2011. Duas potências como Boston Red Sox e Atlanta Braves mantinham confortáveis vantagens sobre seus rivais na classificação para a repescagem (Wild Card), mas sofreram colapsos absurdos e perderam para equipes após estarem mais de 8 jogos à frente dos rivais, no início do mês. Os Cardinals e Braves, e Red Sox e Rays, chegaram empatados na última rodada, nesta quarta-feira 28 de setembro, e propiciaram uma das mais divertidas noites para os fãs do esporte. Os Red Sox entregaram um jogo quando faltava apenas um jogador adversário para ser eliminado, e os Rays , que perdiam por 7 corridas na penúltima entrada, empataram o jogo com um Home Run quando restava apenas um strike para ser eliminado, e venceu os Yankees na prorrogação. Os Cardinals foram os únicos a ganhar fácil nesta rodada, e foram beneficiados pelo apagão dos Braves, que de forma semelhante aos Red Sox, estavam apenas a uma eliminação quando viram os Phillies empatarem o jogo e virar na prorrogação. Para os curiosos, aqui vai uma incrível descrição dos acontecimentos desta quarta-feira maluca.

Como de costume, aqui vão meus palpites para o desenrolar dos playoffs:

National League

Phillies 3 x 0 Cardinals

Brewers 3 x 1 Diamondbacks

Phillies 4 x 1 Brewers

American League

Rangers 3 x 1 Rays

Tigers 3 x 2 Yankeess

Rangers 4 x 2 Tigers

World Series

Phillies 4 x 2 Rangers

Os Phillies possuem um verdadeiro esquadrão de formidáveis arremessadores, são considerados favoritos 7/5 e Las Vegas, algo raríssimo, e acho que não devem deixar escapar o título, como ocorreu no ano passado, quando eram os favoritos, mas com um time mais fraco do que o atual. Playoff de beisebol é altamente afetado pelo talento dos arremessadores, e Roy Halladay, Cliff Lee, Cole Hamels e Roy Oswalt estão entre os melhores jogadores não apenas da atualidade, mas das últimas décadas, e acho que, para alegria do meu filho Rafa, que é torcedor deles, os Phillies conquistam o terceiro título de sua história. E além do mais, assim mantenho meu palpite da pré-temporada, quando acertei metade dos classificados para os playoffs, como sempre uma média apenas razoável.

Questionando o formato dos playoffs

Boston Bruins e Philadelphia Flyers nos playoffs da NHL - nhl.com

Maio é o mês onde os playoffs de duas das principais ligas norte-americanas (NBA e NHL) começam a esquentar, com as semifinais e finais das respectivas conferências. Estas ligas possuem sistema de playoffs muito semelhantes, com 16 equipes classificadas, sendo 8 em cada conferência, que são compostas por 3 divisões cada. Os playoffs dividem-se em quatro rodadas, cada uma delas disputada em uma série melhor de sete partidas, a última sempre disputada na casa da equipe de melhor campanha na temporada regular.

Eu sempre fui defensor deste formato, pois geralmente permite que a melhor equipe saia vencedora. Teoricamente, quanto mais longa a disputa, menor a chance de uma equipe inferior contar com a sorte, ajuda da arbitragem ou algum outro fator para superar um adversário superior. O formato originou-se ainda no século XIX, com disputas entre ligas rivais no beisebol americano. É provável que a disputa do título de 1884 tenha sido a primeira em formato superior a duas partidas.

Considero este formato totalmente adequado para o beisebol (MLB), pois neste esporte existe a figura do pitcher, que é o principal responsável por impedir que o adversário faça pontos, mas que devido ao stress e desgaste causado por dezenas de arremessos, não consegue atuar em partidas consecutivas, portanto uma partida é sempre diferente da anterior, já que a figura mais importante de cada time é trocada. Desta forma, a realização de múltiplas partidas torna-se necessária, para que uma equipe com conjunto superior ou mais equilibrado nas diversas posições possa vencer um adversário, mesmo que este possua um ou dois super arremessadores.

Na contramão deste modelo de múltiplas partidas está a NFL, onde as disputas restringem-se a um jogo elinminatório, devido à natureza do jogo, que causa grande desgaste físico a cada partida. Com exceção do Super Bowl, disputado em local pré-determinado (semelhante às Copas Européias), na NFL as equipes com melhor desempenho decidem esta partida única em casa, e podem aproveitar de vantagens como condições climáticas (os playoffs são disputados no inverno, e muitas vezes o campo está coberto de neve) ou o tipo de piso (grama sintética ou natural). Muitas equipes possuem elenco e estratégia apropriada para jogar em casa, aproveitando-se de alguma destas vantagens.

Meu questionamento sobre a eficácia deste formato para a NHL e NBA surgiu nesta semana, especialmente pelos resultados das últimas semanas no hóquei. Das 62 partidas disputadas até esta noite, um terço foi decidida na prorrogação, e mais da metade (55%) foi decidida apenas por um gol. Apenas 21% dos jogos apresentou vitória por 3 ou mais gols de diferença. Eu interpreto isso como extremo equilíbrio e imprevisibilidade, e portanto não sei se a realização de 3, 5 ou 7 partidas altera, ou torna mais ou menos “justo”, o resultado obtido.

No caso da NBA, a situação deste ano (e também histórica) é bastante diferente, mas isso deve-se à quantidade de pontos ser MUITO superior, e o fato de que muitos pontos que nada afetam o resultado serem anotados nos minutos finais de algumas partidas. Em mais de 130 partidas nas duas últimas edições (2010 e 2011), tivemos apenas duas partidas na prorrogação, menos de 20% dos jogos decididos por 1 a 3 pontos, e mais que isso em partidas decididas por 15 ou mais pontos. Vou analisar dados históricos da NBA, mas creio que não encontrarei grande quantidade de partidas na prorrogação ou decididas por poucos pontos, especialmente nas duas primeiras rodadas dos playoffs, portanto creio que o formato de maior quantidade de partidas permite que, na grande maioria das vezes, a melhor equipe saia vencedora do confronto.

Outra comparação entre estas duas ligas, que ajuda nesta análise, está no impacto que os principais jogadores têm no resultado do jogo. Devido ao imenso esforço necessário para patinar e ainda “jogar”, somado às inúmeras trombadas com adversários e com a cerca de vidro, um jogador de hóquei no gelo fica no rink por 20 minutos por partida, que dura 60 minutos. Desta forma, em 2/3 do tempo cada craque está assistindo de fora. A exceção fica para o goleiro, que de forma semelhante ao pitcher no beisebol, pode garantir o zero no placar e ganhar um jogo quase sozinho. Apesar disso e ao contrário do beisebol, a diferença de talento entre os goleiros não é tão grande, e praticamente todas as boas equipes possuem um ou até dois bons goleiros no elenco, o que reduz o impacto de cada um deles.

No caso da NBA, e especialmente durante os playoffs, muitas equipes utilizam apenas 8 jogadores na sua rotação, e as principais estrelas atuam por 35 a 40 minutos por partida, de um total de 48 minutos. Isto representa 75% a 80% do jogo, e num esporte com apenas 5 jogadores de cada lado, a equipe que possui os melhores jogadores individualmente geralmente se sobressaem. Vide o caso do meu Miami Heat, que oscilou muito na temporada regular mas está voando baixo nos playoffs, ancorado nos espetaculares Dwyane Wade e LeBron James.

No caso do futebol, o formato de duas partidas, utilizado há muitos anos em competições de clubes pelo mundo, me parece eficiente e ao memso tempo permite grandes emoções, pois no futebol uma equipe inferior pode superar um favorito, e duas partidas podem não ser suficientes para que o melhor time prevaleça. Considero o desempate por gols marcados como visitante interessante, mas não sei se é justo. Sei que com certeza é melhor que a decisão por pênaltis.

O que você acha desses diversos formatos de playoffs ?

Fase Final da NBA está imprevisível…

2011 NBA Playoffs - NBA.com

…mas aqui vão meus palpites para os Playoffs, e breve reflexão sobre a temporada 2010-2011 da NBA.

A temporada regular da NBA encerrou-se nesta última quarta-feira, após 5 meses e meio numa temporada recheada de novelas e especulações, principalmente pela tendência recente onde poucas equipes passaram a concentrar uma grande parte das principais estrelas, criando um verdadeiro abismo entre supertimes e times patéticos.

Comparando o resultado final com minha previsão inicial de outubro, acertei 6 dos 8 times classificados para os playoffs em cada uma das conferências. 75% de acerto poderia ser considerado positivo, mas acho que meu desempenho não foi tão bom, poishavia poucas dúvidas em relação ao sucesso da maior parte dos 12 times que acertei. Minha principal surpresa no Leste foi a fraca temporada do Milwaukee Bucks, que considerava uma equipe promissora, e pelas implosões do Utah Jazz e Houston Rockets no Oeste, sendo que no caso dos Rockets não culpo o comando da equipe mas sim as contusões graves que sofreram, especialmente pelo pivô chinês Yao Ming, que já deveria ter encerrado a carreira, já que está completamente bichado, pois os joelhos não suportam o peso dos seus 2,25 metros.

As trocas de fevereiro tiveram grande impacto na parte final da temporada, como previ neste post, mas ainda temos diversas perguntas que serão respondidas apenas durante os playoffs, como estas:

– Será que o Chicago Bulls conseguirá repetir o domínio dos últimos meses nos playoffs, ao enfrentar equipes mais experientes ?

– Qual Miami Heat veremos nesta etapa ? Que estilo ofensivo adotarão ?

– Existe vida em Boston após a idiotice de Danny Ainge em trocar Kendrick Perkins ?

– Alguma chance de Dwight Howard receber ajuda dos inoperantes companheiros ?

– Alguma chance do San Antonio Spurs encontrar um elixir rejuvenescedor ?

– Com um elenco completo, será que enfim veremos um título do Dallas Mavericks ?

– O que esperar dos jovens talentos do Oklahoma City Thunder ?

e finalmente:

– Será que alguém poderá bater os atuais bicampeões Los Angeles Lakers ?

Para não enrolar muito, aqui vão meus palpites:

Conferência Leste:

First Round: Bulls 4×0 Pacers, Heat 4×1 76ers, Celtics 4×2 Knicks, Magic 4×2 Hawks

Conference Semifinals: Bulls 4×3 Magic, Heat 4×3 Celtics

Conference Finals: Heat 4×2 Bulls

Conferência Oeste:

First Round: Spurs 4×1 Grizzlies, Lakers 4×1 Hornets, Mavericks 4×3 Blazers, Thunder 4×2 Nuggets

Conference Semifinals: Thunder 4×2 Spurs, Lakers 4×2 Mavericks

Conference Finals: Lakers 4×3 Thunder

NBA Finals: Heat 4×2 Lakers

Mudei meu palpite que vinha mantendo desde o início da temporada, e afirmo que foi baseado 100% na minha torcida pelo Heat 🙂

UPDATE: Acabei de ver no site da ESPN que John Hollinger, um dos principais analistas de basquete, publicou seus palpites, que curiosamente estão MUITO parecidos com o meu. O cara é meio xarope, portanto não se se isto é bom ou mal sinal.

%d bloggers like this: