Temporada de futebol começa a esquentar nessa semana

2197049_full-lnd

Argentina e Uruguai enfrentam-se no melhor jogo desta semana / Getty Images

O início de setembro marca o verdadeiro começo das competições de futebol de alto nível no mundo, algo que infelizmente o Brasil e a América do Sul ainda não compreenderam, e insistem em organizar suas competições de forma diferente, encavaladas, mesmo com a facilidade de acesso às informações que permite copiar a fórmula de sucesso europeu.

Neste ano, além do início da UEFA Champions League e dos principais campeonatos nacionais europeus, o início de setembro traz um bônus. Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, que se iniciam para as nações da UEFA (Europa), chegam na fase decisiva na AFC (Ásia), trazem partidas importantes na CONCACAF (América Central e do Norte) e na embolada classificação da CONMEBOL (América do Sul), teremos a sétima e oitava rodada, que podem começar a trazer um certo distanciamento entre os países que devem chegar à Copa da Rússia e aqueles que amargarão mais uma Copa pela TV. As disputas na CAF (África) terão sua fase final a partir de outubro, e como sempre devem ser muito equilibradas, pois existem mais de dez candidatos às cinco vagas disponíveis.

Para o Brasil, será uma semana crucial. Tive iniciará sua gestão enfrentando o líder Equador, fora de casa, e em seguida enfrenta a Colômbia, em Manaus, na famigerada Arena da Amazônia. Estamos em sexto lugar, e fora até da repescagem para a Copa, e nossa seleção não traz nenhuma confiança ao torcedor, pois não temos o menor poder ofensivo e jogadores bons, mas somente um craque. Darei meu voto de confiança ao competente Tite, e creio que teremos 4 pontos após estas duas partidas, num 0x0 em Quito seguido de uma magra vitória de 1×0 em Manaus. No melhor estilo do treinador gaúcho (já descobri que não conseguiremos nos livrar destes seres !!!!!)

A Argentina também trocou o comandante, mas na minha opinião estará pior com Bauza do que com o superior Martino, mas deve vencer suas partidas e posicionar-se como a principal força do momento no continente. É a líder do Ranking da FIFA e só não venceu as grandes competições que disputou recentemente por meros detalhes, e especialmente pela incompetência de Higuaín em fazer ao menos UM golzinho entre as diversas chances claras que teve nas finais da Copa do Mundo em 2014, e das Copas Américas de 2015 e 2016.

Equador deve sair com um ou dois pontos após enfrentar Brasil e Peru, e ficará embolado após um início formidável nas Eliminatórias.O Chile pode surpreender, pois seus jogos permitem levar seis pontos, apesar de que o Paraguai está retomando um futebol consistente e pode manter-se na briga com ma vitória sobre os bicampeões da América em Asunción. Uruguai e Colômbia devem levar três pontos nesta semana. As outras seleções são, na minha opinião, cartas fora do baralho.

Para resumir, creio que a classificação continuará embolada após estas duas rodadas.

Na Europa, são 13 vagas (somadas à anfitriã Rússia), e a disputa será em nove grupos, onde os vencedores classificam-se diretamente, e os segundo colocados dos grupos disputam repescagem para as quatro vagas restantes. O pior segundo colocado não participa desta repescagem, portanto apenas a liderança do grupo garante.

Este formato faz com que os grupos com equipes mais equilibradas sejam os mais perigosos, e para sorte de algumas potências futebolísticas, que caíram em um mesmo grupo, isso não aconteceu em todos os grupos da UEFA. Itália e Espanha dividem um grupo, mas seus adversários são fraquíssimos, com pouco risco para o segundo colocado. Em contrapartida, França e Holanda estão no mesmo grupo com a Suécia, que não é nenhuma maravilha mas já atrapalha.

Algumas potências estão em grupos fáceis e devem classificar-se sem muita dificuldade, especialmente Alemanha, Inglaterra e Bélgica. Croácia briga com Turquia e Islândia (!!!) no grupo I, Portugal com a Suíça no grupo B, País de Gales com Sérvia no grupo D, e no fraquíssimo grupo E, Romênia, Dinamarca e Polônia devem aproveitar-se da sorte e obter a vaga na Rússia.

A Ásia “dá” vagas para todo mundo, e os suspeitos de sempre devem se classificar. Austrália e Japão tem um caminho facílimo, e Irã e Coréia do Sul devem disputar as duas vagas do seu grupo com o Usbequistão.

Na África, a Tunísia caiu em um grupo fraco e deve classificar-se, mas o melhor time do continente, a Argélia, enfrenta pedreiras como Nigéria e Camarões. Aposto na Argélia, mas a Nigéria pode beliscar essa vaga na Rússia. Costa do Marfim deve obter a vaga na quarta Copa seguida, pois o os adversários não são assustadores. O grupo D é o de pior nível, e podemos ter estreantes em Copa do Mundo, pois Cabo Verde é um dos candidatos à liderança do grupo, devendo brigar com Senegal e se der alguma zebra, África do Sul. O último grupo também é forte, com Gana favorita sobre o tradicional Egito e o perigoso Congo.

Na Champions League, os suspeitos de sempre são ainda mais favoritos nesta temporada, pois algumas forças estão em baixa ou reestruturando-se, casos das ausentes equipes italianas (Milan, Internazionale e Roma) e inglesas (Manchester United e Chelsea) respectivamente. Novos, e excelentes, treinadores no Bayern Munich (Ancelotti) e Manchester City (Guardiola) podem dar uma nova cara aos já fortíssimos times, que junto com a Juventus devem fazer frente aos espanhóis (Barcelona, Real e Atlético de Madrid) que estão dominando a competição nesta década. Após anos de gastança, o Paris St-Germain não fez nenhum grande movimento mas chega novamente para brigar, com seu elenco estrelado e cheio de craques sulamericanos. Se tiver que escolher uma equipe para surpreender, mesmo que improvável, esta é o Benfica, que tem um grupo razoavelmente fácil e, apesar de ter perdido alguns titulares, tem tido muito sucesso nos últimos anos.

Hoje começa o melhor campeonato de futebol do mundo !

Sterling e De Bruyne, do Manchester City, a incógnita da Champions League deste ano – uefa.com

A UEFA Champions League 2015-16 se inicia hoje, com a participação de praticamente todos os principais clubes europeus, exceção feita para os grandes de Milão, que para piorar as coisas não conseguiram nem as vagas para a Europa League, a forte, mas secundária, competição do continente.

Será a 24a edição desde a renovação que tornou a Copa dos Campeões em uma competição mais robusta, com a inclusão de mais clubes das principais ligas nacionais, e a cada ano crescendo na preferência de todo o planeta, com audiência em todo o mundo premiações astronômicas. A equipe campeã desta edição deverá embolsar mais de 70 milhões de euros em premiação e direitos de transmissão. Para comparação, o vencedor da última Libertadores da América não embolsou nem 10% deste montante.

Uma característica marcante das edições da Champions desde a reformulação é o fato de nunca ter havido um bicampeão em anos consecutivos. Diversos clubes venceram múltiplas edições desde 1993, principalmente Barcelona, Real Madrid e Milan, que foi o último a defender o título com sucesso em 1990. Na fase anterior da Copa dos Campeões, houveram cinco bicampeonatos, dois três e um penta, com o Real Madrid nos cinco primeiros anos da competição, na década de 50.

O atual campeão e melhor time do mundo é o Barcelona, que entra com um alvo gigante nas costas e terá que suar para acabar com esta sina. Conta com o melhor ataque de todos os tempos do futebol mundial, com três jogadores sul-americanos fenomenais (Messi, Suarez e Neymar), e um elenco que se comporta muito bem sob comando de Luis Enrique. A Juventus, finalista de 2015 se enfraqueceu demais com as vendas de Vidal e Tévez, mas muitos concorrentes chegarão com força, especialmente os ingleses de Manchester (City e United) e Londres (o Chelsea começou a temporada muito mal mas tem um time fortíssimo), além de Real Madrid, Bayern de Munique e o cada vez mais robusto Paris Saint-Germain, que não para de reforçar seu ataque, nesta ano com o craque Di Maria.

Meus palpites para os vencedores dos oito grupos:

A – Real Madrid e Paris Saint-Germain

B – Manchester United e Wolfsburg

C – Atlético de Madrid e Benfica

D – Manchester City e Sevilla

E – Barcelona e Roma

F – Bayern de Munique e Arsenal

G – Chelsea e Porto

H – Zenit e Valencia

Arriscar um destes gigantes para ser o campeão é uma loucura, mas escolherei o Barcelona, chegando ao difícil bicampeonato, pois a maioria dos rivais possuem falhas reais, seja no elenco ou principalmente no banco, que podem dificultar na hora de decidir. Técnicos fracos no Real Madrid, Manchester City e Paris Saint-Germain podem causar problemas, e no caso de Bayern de Munique e Chelsea o problema fica por fragilidades defensivas das equipes. Escolho o Chelsea como o principal candidato a superar o Barcelona, pois o elenco é forte e o treinador José Mourinho é capaz de liderar uma sequência  que carregue o time ao título.

A Europa League vem sendo dominada pelos espanhóis na última década, com 4 títulos do Sevilla e 2 do Atlético de Madrid, e neste ano a surpresa pode ser o Athletic Bilbao, que goleou o Barça na final da Supercopa da Espanha e é sempre um adversário difícil no País Basco. Os terceiros colocados da fase de grupos da Champions entram na fase de mata-mata, e existem vários candidatos a este título que poderão surgir pelo caminho da Champions. Outra força será o Borussia Dortmund que voltou a encantar nesta temporada, e é meu candidato ao título da Europa League em 2016.

A nota triste para os brasileiros fica por conta da aquisição dos direitos de transmissão por parte da Turner/Esporte Interativo, canal com mínima penetração nas TVs a cabo, o que impedirá os amantes do bom futebol e acompanhar esta competição. Depois de décadas de cobertura pela ESPN, teremos que seguir o melhor torneio do mundo através de melhores momentos e gols, nos noticiários esportivos. Uma pena !!!!!

O futebol brasileiro no segundo semestre de 2015

Dunga na última convocação da Seleção Brasileira (André Durão/Globo.com)

O segundo turno do Brasileirão 2015 começou no último final de semana, e as 20 rodadas até aqui disputadas demonstram um grande equilíbrio e baixíssimo nível técnico, com exceção dos líderes Corinthians e Atlético-MG, que ainda apresentam um futebol um pouco mais constante e elevado em relação aos demais. A outra exceção fica por conta do Vasco, que consegue se destacar pelo futebol absurdamente ridículo que apresenta, estando no seu terceiro treinador e que provavelmente não será o último até o final da competição, onde o rebaixamento é quase certo. O clube, que já foi grande mas teima em ressuscitar dinossauros como Eurico Miranda, deve ser o primeiro “grande” a ser rebaixado pela terceira vez desde a criação do formato em pontos corridos. O Vasco quase chegou ao título em 2011 mas mesmo assim seus sócios decidiram implodir o trabalho, aparentemente sério apesar do pouco sucesso, vinha sendo tentado pelo ex-presidente Roberto Dinamite, e o futuro do clube é bastante sombrio.

O Corinthians começou mal, mas não perde desde a oitava rodada, com 12 partidas invictas. Alcançou uma pontuação altíssima no primeiro turno (40 pontos) e fará a maior parte dos jogos difíceis do segundo turno no Itaquerão, com exceção do confronto com o Galo, que deverá ser disputado no Mineirão, na provável decisão, no dia 1o de novembro. Nas últimas rodadas o time começou a fazer muitos gols e nem parece uma equipe comandada por Tite, com tanto poder ofensivo. Não acredito que o título escape do Corinthians, pois o Galo é muito irregular para uma competição em pontos corridos, seu estilo é mais adequado para mata-mata.

A Copa do Brasil também “começou” de fato na semana passada, com a entrada dos clubes que disputavam a Libertadores, e nesta semana conheceremos os oito classificados para as quartas-de-final. O Galo deve recuperar a forma e vencer o Figueirense, e o Corinthians não deve reverter a vantagem do Santos, um time com ataque forte e que recuperou a boa forma do Paulista. Acredito na classificação do Internacional, Grêmio, Paysandu, Palmeiras e Vasco. Para finalizar, por mais que considere um horror o estilo e a postura do fraquíssimo Juan Carlos Osorio, na minha opinião o pior treinador que já comandou meu Tricolor, creio numa classificação frente ao Ceará, principalmente pela fragilidade de um timeco que está, disparadamente, na lanterna da Série B do Brasileiro. Mesmo que avance, o São Paulo não deverá ir muito longe e eu penso que os favoritos na Copa do Brasil sejam o Santos e o Internacional. Se tiver que escolher um, vou de Peixe.

A Seleção Brasileira deu mais um vexame na Copa América, mas não dava para esperar muito mais após outra palhaçada do Neymar, e a presença de jogadores patéticos e que jamais deveriam voltar a vestir a amarelinha, como Thiago Silva e Daniel Alves, além de jogadores fracos como Everton Ribeiro, Fred, Fabinho e Geferson (com este nome nem deveria poder jogar !!!). Gostei bastante da convocação para os próximos amistosos, especialmente da presença dos dois Lucas (Lima e Moura) e o retorno de Hulk. Considero a presença de Kaká como algo pontual portanto não vou reclamar nem elogiar, mas ele não tem muito o que acrescentar à Seleção e espero que não seja mais convocado. Lamento muito o fato de Coutinho não ter sido chamado, pois creio que ele seja um dos poucos expoentes que temos em grandes clubes, na parte ofensiva. Eu gostaria muito que Dunga jamais devolvesse a faixa de capitão, e que nunca deveria ter sido oferecida, ao Neymar, quando ele puder jogar novamente nas Eliminatórias, na dificílima partida contra a Argentina, pela terceira rodada, em novembro.

Nosso único craque desfalcará a Seleção nas duas primeiras rodadas, contra Chile fora de casa e Venezuela em Fortaleza. Nossa última partida de 2015 será contra o Peru, em Salvador, e tenho grande preocupação quanto aos resultados do time neste início de Eliminatórias. Acho que podemos conseguir 7 pontos mas também não me surpreenderia se atingíssemos apenas 4 pontos, com duas derrotas fora de casa em um empate contra Peru ou Venezuela. Não acho que ficaremos fora da Copa da Rússia em 2018, mas tenho certeza que o caminho será bastante sofrido.

A realidade é que nosso futebol, grande e vistoso, cheio de craques dando show pelo mundo, não existe mais. Ainda seremos um país com times razoáveis e um outro bom jogador aqui e acolá, mas é bom que reconheçamos que, a não ser que as coisas mudem de forma rápida e muito forte, a queda ainda continuará por muito tempo e a distância frente aos europeus irá aumentar de forma gigantesca. Sorte de quem pode acompanhar o futebol brasileiro, seja nos estádios, ou através do rádio ou televisão, entre 1950 e o início dos anos 2000. Daqui pra frente eu recomendo aos que gostam de futebol, escolher uma equipe européia para torcer, mesmo que ainda simpatizando com nossos timecos locais, para que possa ao menos acompanhar boas partidas.

Análise do sorteio das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018

O italiano Fabio Cannavaro, capitão do tetra da Azzurra em 2006, durante o sorteio – AFP

A FIFA, em meio à terrível crise moral que assola a entidade há décadas, culminando com os processos encabeçados pelo FBI e que levaram à anunciada renúncia do presidente Joseph Blatter dias após sua reeleição em maio, realizou o sorteio das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018 neste último sábado, 25 de julho de 2015, na cidade de São Petersburgo, na Rússia. Diversos dirigentes alegaram compromissos para não comparecer ao evento, notadamente o Sr. Marco Polo Del Nero, presidente da CBF, que desde a prisão do companheiro José Maria Marin, mantém-se discretamente calado aqui no Brasil, e dificilmente terá a coragem de participar dos diversos compromissos da CBF, pois está com muito medo de ser preso e extraditado para os EUA.

Conforme fiz em 2011, analisarei cada uma das seis regiões e darei meus palpites sobre as seleções que estarão disputando a 21a Copa do Mundo no verão russo em 2018. Acertei 21 das 32 seleções classificadas para a Copa do Mundo do Brasil, e fiquei decepcionado com o resultado, especialmente pelo fato de que 24 seleções se repetiram em relação a 2010. Na verdade existem 11 seleções que estiveram presentes em todas as Copas desde a expansão para 32 equipes em 1998. Outras 6 estiveram em 4 destas 5 Copas e mais 11 em 3 delas. Assim chegamos a 32 seleções que estiveram em 3 ou mais das últimas 5 Copas, o que torna relativamente fácil uma previsão dos prováveis classificados.

As únicas eliminatórias que trazem emoção no sorteio são as européias, pois devido a um critério que na minha opinião é estúpido e injusto, utiliza-se uma data de corte para separar os potes das seleções, e tal procedimento permite que Itália e França fiquem no pote 2, enquanto País de Gales, que por uma imensa sorte atingiu na data de corte seu melhor ranking da história, fique no pote 1. Desta forma, italianos e franceses acabaram caindo nos grupos de Holanda e Espanha respectivamente, situação que pode impedir uma destas quatro grandes seleções de participar da Copa em 2018. Vale lembrar que a França foi, sem dúvida, uma das 4 melhores equipes do mundial do Brasil em 2014, e só não chegou mais longe por falta de sorte na tabela, tendo que enfrentar a campeã Alemanha antes dos demais adversários, nas quartas-de-final, num jogo onde pressionou os alemães durante todo o segundo tempo. Já discuti o Ranking da FIFA anteriormente, acho uma ferramenta razoável com problemas pontuais, mas que reflete o sobe e desce das seleções, mas discordo demais com a utilização e uma data de corte para um sorteio tão importante, pois se a data fosse um mês antes, os potes da Europa teriam uma configuração completamente diferente. Defendo uma média dos últimos rankings, mesmo que com maior peso para os meses mais recentes, como forma de dividir os potes.

As eliminatórias africanas ainda terão o importante sorteio após os confrontos da segunda rodada da região, que serão disputados em Novembro deste ano, portanto fica impossível prever os candidatos. Mesmo assim, existem algumas forças que destacam-se no continente e escolherei as 5 que considero favoritas à classificação, com destaque para a Argélia, um time que me agradou demais na Copa de 2014, e que levou a campeã Alemanha para a prorrogação nas oitavas-de-final, o mesmo time que goleou um timeco de amarelões e treinado por um jumento por 7×1 dias depois.

As eliminatórias das Américas do Sul e do Norte/Central, da Ásia e da Oceania mantiveram os mesmos formatos dos últimos anos, e nestes casos o sorteio não faz praticamente nenhuma diferença, pois fica fácil para os times mais fortes chegar à classificação pois enfrentam um monte de porcarias.

Aqui vão meus candidatos ao torneio de 2018:

Europa – Rússia (país-sede), França, Portugal, Alemanha, Sérvia, Dinamarca, Inglaterra, Espanha, Bélgica, Croácia, Holanda, Suíça, Áustria e Itália.

América do Sul – Brasil, Argentina, Chile, Colômbia e Uruguai

América do Norte e Central – EUA, México, Costa Rica e Panamá

África – Argélia, Costa do Marfim, Gana, Nigéria e Egito

Ásia – Austrália, Japão, Irã e Coréia do Sul

Infelizmente, como descrevi antes, a única região que pode trazer surpresas é a Europa, pois nas demais são sempre os mesmos suspeitos, e tem lugar para praticamente todo mundo na Copa do Mundo com 32 seleções. Minha lista tem 27 seleções repetidas de 2014, e somente um estreante, o Panamá.

Back in Action

377 dias depois, volto ao blog para dividir minha sabedoria com meus queridos amigos.

A última atualização foi na manhã do dia 12 de junho de 2014, dia da abertura da Copa do Mundo de Futebol, horas antes do Brasil estrear contra a Croácia. Naquele dia deu para perceber que nosso time era ridículo, dependia imensamente de um único jogador e só avançaria com ajuda da arbitragem, muita sorte e principalmente da fragilidade ainda maior dos adversários, razão pela qual chegamos até a semifinal.

Passado o vexame, com um recorde de gols sofridos por um país sede (14 em 7 jogos), um desempenho de 3 vitórias, 2 empates e 2 derrotas e uma choradeira ridícula durante todo o mês, o futebol brasileiro começou a perceber que já não possui a mesma qualidade, apesar de ainda manter um alto prestígio devido à sua história e tradição de sucesso.

Dunga foi chamado e ninguém acreditava que ele pudesse ter êxito, mas o que se viu foi uma seleção comprometida e bem treinada, consciente de suas limitações e bastante oportunista, nos diversos amistosos que o Brasil disputou, vencendo fortes seleções (Chile, Colômbia, Argentina e França), até a derrota da semana passada, na segunda rodada da fase de grupos da Copa América, contra a Colômbia, onde o Brasil não viu a bola e o 1×0 ficou de ótimo tamanho. A partida confirmou o status de overachiever que Dunga manteve com seu trabalho, pois o elenco é muito ruim, disparadamente a pior fase da Seleção Brasileira em todos os tempos. O baixo nível da Copa América pode muito bem permitir que nossa Seleção saia de Santiago com o título, mas está claro que o futebol sul-americano está muito abaixo do europeu, inclusive nas seleções, não somente nos clubes como já ocorre há décadas. A realidade é que o Brasil já não produz bons jogadores há tempos, nem mais bons volantes, zagueiros e goleiros nós temos, pois estes vinham sendo os jogadores de qualidade surgidos na última década, já que meias e atacantes de alto nível não produzimos há mais de 15 anos, com exceção de Neymar, única luz produzida em terras tupiniquins desde o início dos anos 2000, quando Kaká apareceu em 2001.

O Brasileirão 2015 começou há pouco mais de um mês, e algo que não mudou foi a falta de organização dos clubes. 9 treinadores já foram trocados em 8 rodadas, e existem muitos na corda bamba ou com sua função de interino altamente ameaçada. EM 2014 houveram 23 trocas de treinadores, lideradas pelo Criciúma, pior equipe disparada, com 4 trocas na competição. Alguma surpresa deste desempenho ? 2015 deverá mais uma vez levar um carioca à Série B. Vasco, Joinville e Coritiba são fortes candidatos ao rebaixamento, e a briga será boa pela última vaga no Z4.

O último ano foi uma loucura para o Brasil, com a eleição mais disputada de todos os tempos, onde infelizmente a presidente foi reeleita por uma apertada margem, devido ao apoio maçiço da população menos instruída e daqueles que mamam nas tetas do Estado, grupos que infelizmente não param de crescer neste país. Somam-se a estes desqualificados a meia dúzia de imbecis que vivem no conforto mas defendem o socialismo, sistema que a história provou não ser sustentável ou eficiente. Estes cretinos são os verdadeiros responsáveis pelo fracasso do Brasil, pois são eles que manipulam a massa ignorante e perpetuam o grupo inepto e desonesto que comanda o Brasil desde 2003. Para piorar, esta situação repete-se em boa parte da América do Sul, onde nossos imbecis comandantes desfilam com pompa ao lado de líderes falidos que estão sucateado seus países, enquanto dilapidam relações com parceiros fortes como EUA ou países com visão progressista, racional e liberal, como Peru e Colômbia.

No lado pessoal, o último ano foi extremamente corrido, pois abrimos um novo negócio que vem consumindo praticamente todo o tempo da família, principal razão do silêncio deste blog.

%d bloggers like this: