Arquivos de sites

Previsões futebolísticas – Última rodada do Brasileirão

Tite dando instruções ao time - Junior Lago/UOL

Após um mês afastado do blog, retornei para um rápido palpite e opinião sobre a rodada final do Campeonato Brasileiro.

Meus últimos comentários sobre o Brasileirão foram feitos em 11 de outubro, nesta coluna, quando faltavam dez rodadas para o final da competição, e havia considerado o Corinthians como o eventual campeão, algo que continuo acreditando. Pela fácil tabela que tinha, achava que o São Paulo poderia ser o principal rival, mas o time quase não pontuou neste período, com exceção das vitórias, em casa, sobre os dois piores times da tabela. Acompanhei de longe este campeonato, pois assisti muito poucos jogos, e minhas informações vêm das notícias que obtenho em diversos sites, mas fiquei contente com o desempenho dos dois concorrentes ao título, Corinthians e Vasco, pois mostraram força e disciplina durante toda a competição, e alcançaram uma pontuação que considero razoável, fato que não ocorreu nos últimos anos, especialmente em 2009, quando parecia que ninguém queria ser campeão, e o título sobrou para o Flamengo.

Todos sabem o quanto odeio a CBF, e suas decisões cretinas em diversos aspectos (coisa para outro post), e uma delas é o critério de desempate utilizado em suas competições. Não vejo mérito em maior número de vitórias, primeiro critério da entidade, especialmente depois que a FIFA, sabiamente, instituiu os 3 pontos ao invés dos tradicionais 2 pontos em caso de vitória, o que já deu uma grande vantagem e estímulo na busca de gols e resultados positivos. O segundo critério, utilizado na maioria das competições de futebol pelo mundo, é o saldo de gols, que considero mais justo, apesar de não ser meu favorito, pois pode criar situações de mala preta, onde um clube “abre” as pernas e permite um adversário enchê-lo de gols. Mas isto é difícil e raro, portanto o saldo de gols é um bom critério.

O Corinthians lidera com dois pontos de vantagem, e chegará ao título em caso de empate, por possuir mais vitórias que o Vasco. Antes que os gambás me xinguem, acho que eles merecem o título em caso de empate, pois levam a melhor no critério que considero mais justo para desempate em torneios deste tipo, que é o confronto direto, que na cabeça dos mandatários da CBF é apenas o quarto critério de desempate, atrás até de gols marcados. Confronto direto deveria ser a primeira alternativa pois é a única que envolve apenas as equipes em questão, eliminando ocorrências em jogos contra os demais clubes, e é o único critério onde os clubes podem ser comparados com clareza. O Corinthians venceu o Vasco em São Paulo e empatou no Rio de Janeiro, portanto deveria ter esta vantagem, mesmo que possuisse menor número de vitórias. Além do mais, merece o título por liderar o campeonato por 26 rodadas até agora, algo que não ocorria desde 2006, quando meu Tricolor querido liderou o campeonato por 28 rodadas.

Aqui vão meus palpites para este domingo (partidas em ordem de importância, na minha opinião):

Corinthians x Palmeiras – Empate

Vasco x Flamengo – Empate

Inter x Grêmio – Inter

Atlético-PR x Coritiba – Atlético-PR/Empate

Cruzeiro x Atlético-MG – Atlético-MG

Bahia x Ceará – Ceará

Avaí x Figueirense – Figueirense

São Paulo x Santos – São Paulo

Botafogo x Fluminense – Fluminense/Empate

Atlético-GO x América-MG – Atlético-GO

Desta forma, o campeão seria o Corinthians, as vagas na Libertadores ficariam com Vasco (já classificado pela Copa do Brasil), Fluminense, Flamengo e Inter. Os rebaixados seriam Avaí, América-MG, Atlético-PR e Cruzeiro, a maior vergonha deste ano no futebol brasileiro.

Vou torcer para que meus palpites se confirmem, com exceção dos jogos do Inter e Figueirense, onde prefiro que empatem ou percam, para que o São Paulo possa, sem merecer, classificar-se para a Libertadores 2012.

Anúncios

Faltando 10 rodadas, quem leva o, a cada ano mais fraco, Brasileirão 2011 ?

Craques do Brasileirão 2011

Craques do Brasileiro - Placar/Set2011

Após a rodada deste último fim de semana, faltam apenas dez jogos para o final do Campeonato Brasileiro 2011, e esta reta final será mais uma vez altamente disputada e emocionante, apesar de, para tristeza daqueles que como eu gostam de bom futebol, seremos “premiados” com jogos horrorosos, provavelmente erros de arbitragem e suspeitas de favorecimento, que são fomentadas pela imprensa para difamar os vencedores e colocar em dúvida a legitimidade das conquistas.

Como paulistano, vejo mais uma vez o perigo de ter um representante da minha cidade como líder de toda a competição, mas que na hora da verdade entrega o título de bandeja para um rival carioca. Isto ocorreu em 2009 com o Palmeiras, que liderou por 17 rodadas e tinha imensa vantagem, e no final viu seu time implodir e ficar fora até da Libertadores. Em 2010 o Corinthians liderou por 12 rodadas, mas ficou a maior parte do tempo atrás do Fluminense, que mostrou-se mais regular e ficou na ponta por 23 rodadas. Nesse ano, a galinhada esteve na ponta em 18 das 28 rodadas, e para minha tristeza já enfrentou boa parte dos jogos mais difíceis neste segundo turno, e tem um caminho relativamente fácil até o final. O mesmo ocorre com meu cambaleante Tricolor, que tem restante de tabela relativamente fraco, e pode até beneficiar-se pelo confronto com o Santos (disparadamente o melhor time do país) na rodada final, pois é provável que o adversário poupe jogadores para a viagem ao Japão, que deverá ocorrer poucos dias depois deste duelo. O último candidato é o imprevisível Flamengo, que aparentemente recuperou a boa fase, com muita estrela nas últimas semanas, e também terá jogos relativamente tranquilos daqui pra frente. O Vasco é quem tem a pior tabela, e corre sério risco de distanciar-se rapidamente do pelotão de frente, e conquistar a difícil dobradinha tupiniquim (Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro).

Minha previsão do início da competição já foi por água abaixo, pois o Inter (na minha opinião com o segundo melhor time do país) vem tendo desempenho instável, alternando partidas maravilhosas com derrotas ridículas, e não deve oferecer perigo de título. Outro fiasco ficou por conta do Cruzeiro, que considerava grande favorito e que está enfrentando imensas dificuldades, e pode muito bem ser rebaixado para a Segundona. Acho que serão rebaixados América-MG, Avaí e Ceará. A última degola ficará entre os Atléticos Mineiro e Paranaense, Cruzeiro e Bahia.

Desde que passou a ter 20 clubes, em 2006, o campeonato vem sendo conquistado com campanhas cada vez mais fracas, pois o São Paulo ganhou com 78, 77 e 75 pontos entre 2006 e 2008, mas o Flamengo obteve apenas 67 em 2009 e o Fluminense um pouco melhor, com 71 pontos em 2010. Acho que o campeão de 2011 ficará entre 68 e 72 pontos, e dificilmente teremos mais de dois times acima dos 70 pontos. A Globo apresentou hoje este estudo de seu matemático, considerando o Corinthians o favorito com 45% de chances de título, seguido por Vasco com 26% e Botafogo (que ainda fará 11 partidas) com 12%, à frente de São Paulo e Flamengo com 7% e 6% respectivamente.

Tomara que as previsões (minha e do matemático) estejam erradas, e que o Corinthians se atrapalhe mais uma vez, que algo ilumine o terrível Adilson Batista e meu tricolor, e que pelo menos não tenhamos nenhuma grande polêmica, má-fé ou armação, nesta reta final do fraquinho, mas sempre querido Brasileirão.

Previsões futebolísticas – Campeonato Brasileiro 2011

Inter de Zé Roberto entra como um dos favoritos ao título - http://www.internacional.com.br

Campeonato Brasileiro, minha competição preferida de futebol começa neste próximo sábado, numa já tradicional e desorganizada maratona causada pela incompetência da CBF, que antes do início da competição já alterou datas de diversos jogos, para acomodar amistosos e eventos de algumas equipes, mas sem parar seus jogos durante a principal competição de seleções do continente, a Copa América 2011 que será disputada na Argentina, no mês de julho.

Alguns devem estar estranhando minha predileção por este torneio, já que nos últimos anos parece que todo mundo só pensa em Libertadores. Este não é o meu caso. Desde criança sempre fui fanático pelo Brasileirão, mesmo as absurdas variações na forma de disputa, polêmicas e desorganização. Na minha opinião é o torneio mais difícil de ser conquistado no futebol mundial, razão pela qual seu campeão sempre recebe grande consideração da minha parte.

Antes de apresentar minhas previsões, sou obrigado a comentar diversos fatos, todos absurdos, ocorridos desde o final da competição de 2010, que foi recheada de polêmicas e reclamações por parte de diversas equipes, que se consideraram prejudicadas por adversários, arbitragem ou sei lá o que. Um dos principais assuntos foi a “entregada” por parte do meu São Paulo e do Palmeiras para o eventual campeão Fluminense, nas antepenúltimas e penúltimas rodadas, quando ambos atuavam como mandantes mas já não possuíam qualquer motivação em relação à posição na tabela. Especulou-se que os times entregariam para prejudicar o Corinthians, que em 2009 enfrentou situação semelhante, e na época transferiu seu jogo sem explicação lógica para Campinas, perdeu para o eventual campeão Flamengo (que disputava o título justamente contra os dois rivais paulistanos e o Internacional-RS) e, para piorar, comemorou a chamada “doce derrota” em uma de suas publicações oficiais.

O troco foi dado quando, mesmo jogando praticamente completos, os times foram pressionados (de forma lastimável) por suas torcidas para perderem as partidas, atuaram de forma desmotivada e displiscente, e acabaram perdendo para os cariocas e prejudicando  rival, mesmo com excelentes atuações de seus goleiros Rogério Ceni e Deola, criticados pelos cretinos nas arquibancadas. Eu NÃO concordo com nenhum desses três episódios, mas os considero fruto da excessiva rivalidade e falta de motivação causada pelo campeonato, pois não há nenhum prejuízo para uma derrota ou benefício para a obtenção de uma vitória nessa situação.

Nossos vizinhos argentinos criaram uma simples e inteligente solução para um problema semelhante, quando decidiram que a definição das vagas nos torneios continentais e das equipes rebaixadas dariam-se pelas médias dos últimos campeonatos. Desta forma, os pontos disputados em cada partida podem ser cruciais para o clube no futuro, o que seria suficiente para impedir que algum clube sequer pensasse em facilitar o resultado para um adversário.

Mas sabemos que no Brasil quase ninguém gosta de pensar, e a solução encontrada foi de obrigar as equipes a disputar clássicos nas últimas rodadas do campeonato. Assim, no dia 3 de dezembro, na última rodada do Brasileirão, teremos 8 grandes clássicos regionais. E no caso de São Paulo, Palmeiras, Fluminense e Vasco, o mesmo ocorrerá também na penúltima rodada. Como diria meu amigo e assíduo leitor Crisinho, é a típica solução idiota “mexe o piano ao invés do banquinho”. Desta forma haverá um desperdício de grandes partidas, com alto potencial de audiência caso fossem espalhadas em diversas rodadas, mostrando a total imbecilidade daqueles que comandam nosos futebol.

Outro fato que merece ser comentado foi a definição política de considerar todos os títulos pré-1971 como títulos nacionais. Considero legítimos aqueles conquistados no Robertão, mas os da Taça Brasil são absurdos. Também considero legítimo o reconhecimento do Flamengo como campeão em 1987. Assim, creio que o correto seria termos São Paulo, Flamengo e Palmeiras com 6 títulos cada, seguidos de Corinthians e Vasco com 4 (sendo que cada um levou um Brasileiro meio que na gaita, em 2000 e 2005), e Fluminense, Internacional e Santos com 3 títulos cada.

Como de costume, uma previsão para o campeão brasileiro é algo praticamente impossível, devido à grande quantidade de concorrentes, a famigerada janela de transferências que ocorre durante a competição, as trocas de treinadores e desfalques causados pela CBF, nas partidas da seleção brasileira, que podem prejudicar sensivelmente alguns concorrentes, especialmente o Santos em 2011.

Dois dos meus principais candidatos enfrentam-se logo de cara, na primeira rodada, na Vila Belmiro. Santos e Internacional possuem, na minha opinião, os melhores times do Brasil, e devem figurar no topo da tabela até o final do ano. Meu Tricolor Paulista enfrenta o também Tricolor e atual campeão Fluminense no Rio de Janeiro, outro bom jogo desta rodada de abertura. Ambos possuem bons elencos mas, a não ser que definam um forte time-base e padrão de jogo, dificilmente serão candidatos ao título. O último bom jogo desta rodada será entre Grêmio e Corinthians, fortes equipes com chances de título, mas neste caso coloco mais fichas nos paulistas, que estão se reforçando com grandes apostas como o perigoso (apesar de lesionado) Adriano e o talentoso meia Alex. Meus últimos candidatos ao título são Flamengo e Cruzeiro, que fizeram um bom semestre e possuem a base necessária para crescerem durante o restante do ano.

Aqui vai uma quebra dos clubes, por nível e aspiração:

1) Título: Internacional, Flamengo, Corinthians, Cruzeiro e Santos

2) Libertadores: São Paulo, Fluminense, Palmeiras, Grêmio e Coritiba

3) Sulamericana: Vasco, Botafogo, Atlético-MG, Atlético-PR e Avaí

4) Evitar rebaixamento: Atlético-GO, América-MG, Bahia, Figueirense e Ceará

Meu candidato número um ao título será o Internacional, mas ainda fico na esperança de que uma luz caia sobre o Morumbi e traga o hepta pro Tricolor.

Torcidas no Futebol Brasileiro

Gráfico das maiores torcidas do Brasil - LANCE!-Ibope

O gráfico acima, publicado no Diário LANCE! em maio, apresenta a quantidade de torcedores dos principais clubes brasileiros, em pesquisa realizada pelo IBOPE com mais de 7 mil pessoas em todo o Brasil. Flamengo e Corinthians continuam com folga na liderança, e como já era previsto pela tendência das últimas décadas, o São Paulo  consolida-se como a terceira maior torcida, e que apresenta maior crescimento.

O histórico domínio carioca, causado pelo fato do Rio de Janeiro ser a capital do Brasil e dominar a mídia ao redor do país até os anos 90, foi claramente superado pelos paulistas, especialmente pelo desempenho muito superior dos clubes do estado desde os anos 90, com diversas conquistas (12 a 5 em Brasileiros e 4 a 1 em Libertadores desde 1990), além de que os clubes paulistas sempre estiveram disputando os títulos, com grande visibilidade na TV aberta às quartas e domingos, e atualmente rivalizam com o Flamengo no Centro Oeste e Nordeste, algo impensado há anos atrás.

A quantidade de clubes com grande torcida e tradição é a principal característica do futebol brasileiro, especialmente se compararmos aos campeonatos europeus, e esta divisão torna nosso campeonato nacional, na minha opinião, o mais difícil do planeta, seja ele disputado em pontos corridos, playoffs, mata-mata, etc. A edição de 2010 chegará ao final do primeiro turno neste próximo final de semana, e pelo jeito a disputa ficará entre Fluminense e Corinthians, com Internacional e Santos correndo por fora. Dá pra ver o tamanho da dificuldade em conquistar este título quando vemos que os cariocas não vencem desde 1984, o que aliás foi a única conquista do Flu, que por sinal foi patrocinado pelo saudoso Banco Nacional na final contra o Vasco.

Outro fato curioso está na relação das torcidas com seus times. Apesar de ainda existirem diferenças sócio-econômicas entre algumas torcidas, na prática o perfil dos torcedores não é muito diferente, pois a grande massa, principalmente a que vai aos jogos e faz barulho e pressão, é composta por jovens, do sexo masculino e das classes B e C. Esta constatação é minha, baseada tanto em pesquisa quanto em experiência de 30 anos acompanhando de perto o futebol brasileiro, torcendo para o São Paulo e indo a muitos jogos do Santos, Palmeiras e Corinthians por motivos profissionais.

Trabalhei perto de pessoas das classes mais baixas, e a realidade é que estas pessoas não têm tempo nem dinheiro para ir ao estádio, e muito menos acompanhar jogos às 22 horas numa quarta-feira. Mesmo sendo bastante semelhantes, ainda existe uma diferença entre as principais torcidas, ao menos na cidade de São Paulo, especialmente nas chamadas “numeradas”. Os palmeirenses são realmente os mais chatos com o time, pois gostam de um futebol bem jogado e não se contentam com jogadores medíocres, fato que eu concordo totalmente. Corinthianos exigem apenas dedicação dos jogadores, e orgulham-se de serem sofredores, e na minha opinião realmente preferem sofrer. É uma coisa extra-sensorial que ataca este grupo, que Graças a Deus não aflige os demais torcedores. São-paulinos são irritantemente (acho que esta palavra não existe ?!?!) auto-suficientes, sempre gritando os louros e desmerecendo as derrotas. Me considero uma exceção, principalmente pelo fato de ter vivido dentro do mundo do futebol por vários anos, e perdido muito da paixão cega do torcedor, e hoje consigo facilmente acompanhar sem grandes exageros. Exceção feita para os 90 minutos dos jogos, quando fico tão “cego” quanto qualquer outro fanático, mas logo após o apito final me recomponho.

Encerro este post comentando este fanatismo exagerado e em muitas ocasiões gratuito, que se apresentou nas últimas semanas com as diversas celebrações do centenário do Corinthians. Sinceramente não entendo motivo para tanto barulho. A maioria dos clubes do gráfico acima já completou seu centenário, e nenhum deles fez 10% do oba-oba do Corinthians. Reconheço que o corintiano é mais ligado ao time do que a maioria dos torcedores, que o desempenho do clube afeta a vida de muitos, mas tem gente abusando. Minha sorte é que moro muiiiiiito longe de São Paulo, porque deve ter sido insuportável ver esta galinhada gritando o dia todo. Qual a glória em completar 100 anos ? Pelo que percebi, o Noroeste, time do grande tio Oswaldo, nasceu no mesmo dia, e nem por isso houve motivo de tanta festa. Registrar esta data histórica é legítimo e louvável, mas o que fizeram foi desnecessário. E o pior é que em dois anos chega a vez do Santos e em quatro do Palmeiras, que certamente repetirão o “sucesso” deste ano. Azar de nós todos 😦

%d bloggers like this: